Our Publications


Springer link • 2024

Broadening the Climate Movement: The Marcha das Margaridas’ Agenda for the Climate (and Other) Crises

Abstrato

Movimentos climáticos liderados por estudantes e jovens em todo o mundo (e, em particular, aqueles em economias mais ricas) têm sido reconhecidos por terem uma voz formidável e fazerem contribuições importantes para uma transformação societal mais radical para enfrentar a crise climática. No entanto, pouco se fala sobre a contribuição dos setores populares, que estão mobilizando há décadas e exigindo transformações estruturais mais amplas, com propostas que abordam questões ambientais de maneira mais abrangente e a crise climática em particular, mas que não estão diretamente envolvidos nas arenas políticas climáticas, como as conferências das Nações Unidas sobre mudanças climáticas. Geralmente retratados como vulneráveis, como os mais afetados pelos eventos climáticos, como vítimas e receptores de estratégias de adaptação, ou como resilientes, raramente os setores populares aparecem como agentes de transformação. Estudiosos críticos têm defendido a compreensão da crise climática como parte de múltiplas crises, incluindo a crise da biodiversidade, a crise do cuidado e a crise da democracia. Situando nosso artigo dentro dessa bolsa de estudos, argumentamos que o debate acadêmico e societal sobre as mudanças climáticas se beneficiará ainda mais ao ampliar o escopo de quais sujeitos sociais são considerados parte do movimento climático. Com base em nossa pesquisa com movimentos feministas populares rurais no Brasil e, em particular, na coalizão Marcha das Margaridas, abordamos as seguintes perguntas: como seus diagnósticos e propostas para superar a crise climática estão incorporados em seu projeto mais amplo de transformação? Além disso, como a identidade política delas dentro das categorias de classe, gênero e ruralidade informa suas posições?

Marco Antonio Teixeira, Renata Motta

The International Journal of Sociology of Agriculture and Food • 2023

Food Movements, Resistance, and new digital repertoires in (post-)pandemic times

Abstrato

Embora a pandemia de Covid-19 tenha demonstrado a vulnerabilidade do sistema alimentar global, novos repertórios resilientes de ação coletiva também mostraram como superar as múltiplas dimensões dessa crise. Os movimentos alimentares desempenharam um papel importante na criação de alternativas inovadoras para um sistema alimentar mais justo. Na Alemanha, a pandemia afetou e continua a afetar as relações agroalimentares. Este artigo argumenta que a comunicação digital foi uma ferramenta importante para conectar pessoas com propósitos além do compartilhamento de alimentos e apoio a necessidades relacionadas à alimentação. As redes sociais tornaram-se uma plataforma virtual para mobilização social e inovação em torno de alternativas alimentares durante e em um mundo pós-pandêmico. Dois atores relevantes na mobilização alimentar na Alemanha foram a campanha de protesto Wir haben es satt! e o movimento alimentar Slow Food Germany. O trabalho apresentado aqui é baseado em etnografias digitais e análise de documentos do período de 2020 a 2022. A análise concentra-se em como esses dois movimentos lidaram com o cenário de crise em relação a três níveis clássicos de pesquisa em protesto e movimentos sociais: (1) nível de ator; (2) nível de ação; e (3) nível de transformação. A comparação mostra que ambos os movimentos desenvolveram repertórios inovadores de ação coletiva digital e híbrida, além de fomentarem coalizões entre atores que lutam por uma transformação socioecológica do sistema alimentar.

Debates en Sociologia N° 57 • 2023

Soberanía alimentaria y feminismo popular en Brasil

Abstrato

A Marcha das Margaridas é uma coalizão de movimentos feministas e de mulheres, movimentos agrários, sindicatos e organizações internacionais que surgiu no ano 2000. O processo é liderado por organizações de mulheres que fazem parte de uma confederação de trabalhadores rurais. Embora seu programa inicial incluísse demandas de classe focadas no gênero para o reconhecimento do trabalho das mulheres na produção de alimentos, acesso a títulos de terras e direitos trabalhistas, a Marcha das Margaridas incorporou progressivamente outros temas, como agroecologia e soberania alimentar. Este artigo aborda três perguntas: Como a soberania alimentar entrou em sua agenda? Como interpretam o conceito de soberania alimentar? Como a soberania alimentar pode ser entendida a partir de uma perspectiva (popular) feminista? Através de uma análise de documentos políticos, identificamos cinco temas principais no discurso da Marcha das Margaridas sobre soberania alimentar: 1) alimentação como direito e bem comum; 2) apoio estatal à produção alimentar das mulheres; 3) o valor do trabalho alimentar não comercializado; 4) recuperação ambiental através da agroecologia; 5) alimentos livres de violência, produzidos no âmbito de relações sociais respeitosas.

Marco Antonio Teixeira, Renata Motta

Revista Estudos Sociedade e Agricultura • 2023

Mulheres jovens trabalhadoras rurais: a emergência de uma nova categoria política e suas repercussões no sindicalismo rural

Abstrato

O objetivo pretendido com este artigo foi analisar as interações entre as categorias políticas ‘mulheres trabalhadoras rurais’ e ‘juventude trabalhadora rural’, dentro da Confederação Nacional de Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag), evidenciando as contribuições e tensões geradas na ação sindical, sobretudo, a partir da maior participação das ‘mulheres jovens trabalhadoras rurais’, que surge como categoria política no sindicalismo, assumindo características próprias. A pesquisa se baseou em metodologia qualitativa, tendo por principal referência as narrativas biográficas de três diretoras da Contag, além de documentos institucionais. Dentre as principais conclusões está a de que as mulheres trabalhadoras rurais inauguraram uma forma de ação baseada em três pilares, voltados à constituição de: i) espaços e processos de formação e auto-organização específicos; ii) medidas de ampliação das condições de participação; iii) ações coletivas de caráter público. Assim, institucionalizaram condições para a emergência de outras categorias políticas, desde a interseção de gênero, geração e classe. É desse processo que emergem as mulheres jovens trabalhadoras rurais, que passam a reivindicar essa identidade política e a tecer um campo de articulação que repercute no sindicalismo, pautando novas abordagens sobre temas presentes na agenda sindical e disputando espaço de poder e visibilidade sobre suas questões.

Eryka Galindo

Revista Estudos Sociedade e Agricultura • 2023

Estudos sobre sindicalismo rural no Brasil: transformações, permanências e os 60 anos da Contag

Abstrato

Este trabalho analisa o campo de estudos sobre sindicalismo rural no Brasil e está dividido em duas partes. Na primeira, analisamos eventos centrais e estudos sobre a trajetória do sindicalismo rural, com destaque para a experiência da Contag. Ao fazermos isso, apresentamos os artigos que compõem esta seção temática. Cobrimos os seguintes temas: ditadura e justiça de transição; atuação no plano local; multiplicação dos sujeitos políticos no campo brasileiro e pluralidade sindical; conflitos por terra; agricultura familiar, políticas públicas e a relação sindicalismo e Estado; fortalecimento de grupos minoritários no interior do sindicalismo. Na segunda parte, revisitamos algumas das principais vertentes teóricas que marcaram os estudos sindicais no Brasil. A partir disso, sugerimos agregar novas abordagens importantes, sobretudo nas últimas duas décadas, ainda que em uma síntese preliminar que necessita de aprofundamentos.

Marco Antonio Teixeira, Priscila Delgado de Carvalho

Revista Estudos Sociedade e Agricultura • 2023

Sindicalismo de Trabalhadores(as) rurais no Brasil: transformações, permanências e os 60 anos da Contag

Abstrato

Publicada, na revista Estudos Sociedade e Agricultura, a Seção Temática “Sindicalismo de Trabalhadores(as) rurais no Brasil: transformações, permanências e os 60 anos da Contag”, organizada por Marco Antonio Teixeira (Universität Heidelberg, Alemanha) e Priscila Delgado (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro).